Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

T�picos

 

 

 

 

 

 

(426)Voc� est� em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
FGV: corrente de comércio tem o maior valor da série iniciada em 1997 16/06/2021

Indicador cresceu 58,2%, atingindo US$ 54,6 bilhões   

A corrente de comércio - exportações mais importações - registrou em maio o maior valor na série histórica iniciada em 1997. O volume chegou a US$ 54,6 bilhões em maio, crescimento de 58,2% em relação ao mesmo mês do ano passado. O desempenho se repetiu na balança comercial que teve saldo positivo de US$ 9,3 bilhões, o maior na série histórica e US$ 2,5 bilhões acima do valor de maio de 2020.

Os dados são do Boletim de Comércio Exterior (Icomex) referente ao mês de maio, divulgados na terça-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre).

De acordo com o indicador, a China foi a principal contribuição para o saldo positivo da balança comercial, com superávit de US$ 19,1 bilhões, o que representa 70,4% do saldo global. Além da China, saldos positivos foram registrados nos demais países da Ásia e na América do Sul.

Acumulado 

O superávit comercial no acumulado do ano até maio alcançou US$ 27,1 bilhões, o maior na série histórica. Na corrente de comércio foi o segundo valor mais elevado, chegando a US$ 190,2 bilhões, inferior em US$ 1,1 bilhão ao registrado em 2013. Na comparação com o acumulado de maio de 2020, o superávit comercial aumentou em US$ 11,1 bilhões e a corrente de comércio em 26,2%, com resultado de US$ 42,6 bilhões.

O instituto destacou que os índices de comércio exterior mostram variação positiva nos três grandes setores da indústria, tanto na comparação interanual mensal como na do acumulado. “Chama atenção a variação mensal acima de 10% em todos os setores, tanto nas exportações como nas importações. O aumento das importações, mesmo em um cenário de câmbio elevado, será ressaltado”, disse o o Ibre.

Ainda na comparação interanual do mês de maio, a principal contribuição para o aumento no valor exportado de 53,8% foi de preços, que cresceram 40,1%. Nas importações, o valor aumentou em 65,3% e o volume influenciou o resultado com aumento de 42,1%.

Já na relação entre os acumulados dos anos até maio, as exportações avançaram 30,6% e as importações 20,9%.

Exportações 

Assim como ocorreu em abril, o volume das não commodities, que teve variação de 33,8%, puxou o desempenho exportador de maio, enquanto o das commodities, mesmo positivo, ficou em 12,9%. Nos preços, as commodities se destacaram com alta de 38,5%.

No acumulado do ano, a indústria de transformação ficou na frente, com crescimento de 10,3% no volume exportado. Os dez principais produtos exportados foram açúcar e melaço, farelos de soja, carne bovina, combustíveis, celulose, carne de aves, semi-acabados de ferro ou aço, ouro não monetário, ferro gusa e veículos de passageiros.

“Observa-se que, exceto os automóveis, todos os outros podem ser classificados como commodities. Se avaliarmos os 20 principais produtos exportados, estão presentes instalações para equipamentos de engenharia, aeronaves, partes e peças para automóveis e outros veículos de transporte de mercadorias. Nesse caso, os produtos do setor de material de transporte lideram as exportações de maior valor adicionado.”

O destaque na análise mensal ficou com o aumento no volume da indústria extrativa, liderado pelo minério de ferro, com crescimento de 24,2% em volume e 106% nos preços. O petróleo foi o segundo principal produto.

Embora tenha registrado queda de volume, houve aumento de preço de 139%, o que resultou numa variação em valor de 54%, na comparação interanual do mês de maio.

A produção de soja explicou 89% das exportações da agropecuária em maio e 78% no acumulado de janeiro a maio. Depois da soja, o café e o algodão foram os principais produtos.

Importações 

O volume importado da indústria de transformação ficou em 45,2% na comparação mensal. Os combustíveis, foram os primeiros da lista dos cinco principais produtos importados. Teve aumento no valor de 228%, com a elevação de volume de 67% e de preços de 97%.

Na agropecuária, o trigo registrou aumento em valor de 53%, com volume em 27% e nos preços em 21% e respondeu por 37% das importações do setor em maio. O óleo bruto de petróleo explicou 48% do total das compras da indústria extrativa, com aumento em valor de 534%, volume 341% e preços 44%.

Parceiros 

Nos volumes exportados e importados do Brasil com os principais parceiros, o destaque ficou para o aumento nos volumes exportados para os países da América do Sul, inclusive a Argentina e as vendas do setor automotivo explicam o resultado. Na Argentina, o aumento do volume foi de 45,1% e os preços 6,5%. Para os outros países da América do Sul, o volume aumentou 31,8% e os preços, 5,8%. A participação da China nas exportações brasileiras passou de 32,5% para 34% entre janeiro e maio de 2020 e 2021. (da Agência Brasil, Cristina Índio do Brasil)    



Últimas

2021/06/18 » Bolsonaro pede a empresários para segurarem preço dos alimentos
2021/06/18 » Produção de aço cresce 20,3% de janeiro a maio
2021/06/18 » Guedes defende redução no desperdício de alimentos
2021/06/18 » Confiança do empresário do comércio cresce 12,2% em junho, diz CNC
2021/06/17 » IBGE: construção voltou a crescer em 2019, após dois anos de queda
2021/06/17 » Entidades industriais comentam elevação da Selic
2021/06/17 » Copom eleva taxa básica de juros para 4,25% ao ano
2021/06/17 » Ipea: rendimentos efetivos dos trabalhadores têm queda de 2,2%
2021/06/17 » Produção de petróleo nos contratos de partilha cai 6% em abril
2021/06/17 » Monitor do PIB-FGV vê recuo de 0,7% na atividade econômica em abril
2021/06/17 » Felicidade do brasileiro cai em meio a pandemia
2021/06/16 » FGV: corrente de comércio tem o maior valor da série iniciada em 1997
2021/06/16 » Programa Petrobras Conexões para Inovação lança edital
2021/06/16 » Aneel prorroga proibição de corte de luz por inadimplência
2021/06/16 » Ipea lança estudo inédito sobre mercado de trabalho
2021/06/15 » Famílias de renda mais baixa sofrem maior impacto da inflação em maio
2021/06/15 » Atividade econômica cresce 0,44% em abril, diz BC
2021/06/15 » Mercado financeiro aumenta previsão para a Selic
2021/06/14 » Vendas do comércio têm crescimento de 1,6% em maio
2021/06/14 » Atividade industrial segue elevada, diz CNI

Ver mais »